[MATÉRIA] Visitamos o Squat "Ouvidor 63"

Texto e Imagens: Ribas Machado


Hoje, 1º dia, do último ano, da primeira quinzena, do primeiro século, deste novo milênio (ufa), não querendo ficar em casa vendo como foram as festas da virada, no mundo, nem (muito menos) ficar acompanhando o dia da posse daquela (BR) e daquele (SP) que conseguiram a reeleição, resolvi aceitar um convite feito ao Mídia Legal Independente, no ano passado (hehehhe), e fiz um passeio/visita/cobertura interessante e bastante lúdica...

Fui ao Ocupa/Ocupação/Centro Cultural/Squatter "Ouvidor 63", que fica na (tchan ran!!) Rua do Ouvidor, nº 63, em SP/SP!!!

Marquei/acertei/combinei com o "Síndico" (sim eu estava assistindo agora pouco a mini série sobre a vida do Tim Maia, e ainda estou no embalo do Síndico gorducho) de chegar lá por volta das 15h30, me preparei, arrumei o material, levei alguns canos de algumas pessoas que iriam comigo, cheguei no Terminal Bandeira as 15h03, atravessei o terminal (pela faixa de pedestre, frise-se hehehe), subi a rolante, chequei o horário...



Saí de onde a rolante deixava, olhei a placa...


E segui a seta... Pois sou muito obediente!





Ao virar na direção orientada pela seta, já dava pra ver o prédio...

Lá fui eu pela passarela...


Andei, andei...


 E cheguei...


Portas fechadas e trancadas...

Bati nas duas...

Esmurrei as duas...



E como não tive resposta, aproveitei pra fotografar um pouco da fachada...

 
 Bati mais um pouco, ninguém nem saía nas janelas... (pensei, me dei mal)

Aí olhei melhor pra fim da rua e...



Ops!! Será que houve desocupação em 2 horas???


Será que é este lugar mesmo...?


Estava quase indo embora e passou um grupo composto por dois casais (indo no sentido da viatura), cheguei no primeiro cara e perguntei se ele sabia assobiar (Nota Mental: Preciso aprender ou comprar um apito...), ele disse que não...

Antes que eu voltasse a pensar em desistir e ir tomar uma cerveja em algum lugar (tava muito sol!!!), as duas mulheres (não tirei fotos deles, por razões óbvias) do grupo começaram uma sinfonia de assobios em tons bem altos hehehehe

Aí algUNS jovens começaram a aparecer (não tirei fotos deles, mas eles tiraram de mim ehhehehe) nas janelas do 3º ou 4º andar não lembro (mas soube depois que era o centro de convivência do Squatter...), falei com eles e soube que o "síndico" ficava na cobertura, soube também que uma boa ideia (dada por eles) seria eu voltar a passarela e assobiar de lá (pois ele talvez iria ouvir)... Eu tinha uma ideia melhor, mas definitivamente acho que nenhum dos que apareceu na janela iria subir até o 13º andar por um estranho que, na cabeça deles, assobiava tão alto hehehehe (os casais já tinham ido embora e fiquei como autor da sinfonia...)



Pensei, pensei, tirei mais fotos do lado de fora do prédio (detalhe pra temática ocultista bem interessante...)



Bati um pouco mais nas portas (lembrem que eu não sei assobiar nem tinha apito), olhei pela "janela da porta" ...

E nada...

Aí resolvi voltar até a passarela na esperança de alguém lá de cima ter ouvido a sinfonia e estar olhando pra baixo...

Nada...

Então vejo vindo/voltando um casal da "orquestra" inicial... Não os tinha reconhecido mas eles, com visível dó hehehehe perguntaram se eu ainda não tinha obtido sucesso naqueles 10 minutos passados... A mulher, vendo que não, recomeçou a assobiar (ela adorava assobiar, impressionante) então lá no 2º terraço (acho que era 7º ou 8º andar) apareceram umAS jovens... Falei com elas (acho que elas não me ouviram, pois eu não ouvi a resposta delas hehehehe) gesticulei, elas responderam, aí agradeci (não sei se elas entenderam -acho que sim, pois entraram de novo...-) e eu estava (agora realmente) indo embora, quando lá da passarela vi uma pessoa sair do prédio com um sacão de lixo, indo em direção a uma caçamba...

Fiz Psiu, chamei, ele não correu hehehehe, consegui alcançá-lo, descobrir que ele era o "sub-síndico" (brincadeira, mas ele disse que morava lá na cobertura tb e que lá eles se ajudavam na arrumação do prédio), conversamos e...


 Acesso liberado!!





Já de cara a esquerda, vejo a obra abaixo que, pelo menos pra mim, já meio que lembra quem por ali entrar que ele/ela saiu do sofá e não adianta vir atrás, do que se mostra na tv, ali...


Olho pra direita e vejo que veganos já passaram por este portal hehehe

Só faltava ver o lambe lambe da "Revolução da Colher" heheheh


Continuo e trombo com o humanóide que, um dia, já trabalhou em alguma vitrine do mundo capitalista...


 Olho pra trás pra ver se ainda há uma rota de fuga ou se já estou em outro plano, fico calmo e...


Continuo entrando atrás do sub-guia...



 Antes de ganhar a escadaria que me levaria ao 13º andar, trombo com o guardião da escadaria e ouço atrás de mim que ele costuma ser chato e escolher quem mexe com ele...


Eles me olha, eu olho pra ele (ou ela -tava escuro, a luz é do flash-) ele deita e fica de barriga pra cima... Penso: Passei no teste hehehe

 Brinco com ele/ela...

Agradeço a permissão de passagem, dou tchau e começo a subida, acompanhando o sub-guia...

 Em passos rápidos (pra acompanhar o ritmo do anfitrião e não ficar perdido lá pelos andares) chego (sem ar) no 13º andar...



Vejo que os elevadores estão lá parados (soube que só o síndico pode usá-los hehehehe)



E lá está o síndico...
Após xingá-lo um pouco e ele descobrir que eu não uso celular hehehehe


 Fomos trocar ideia sobre a ocupação lá no terraço da cobertura...


Vista muito bacana...


 Mais msgs ocultistas...




Poesias...


Frases...


Símbolos...



 Escritos...


E, enquanto ia conhecendo o último andar, fui aprendendo que desde o 1º de maio de 2014, quando a ocupação começou (acham-se matérias a respeito em vários sites, até na globo/g1) muita gente por lá tinha passado, com várias ideias, crenças, opções, e estas pessoas foram deixando suas marcas pelas paredes internas, principalmente nos andares onde, porventura, ficaram...

Aprendi também que cada andar, cada porta era o espaço de um coletivo ou uma individualidade (infelizmente não conheci todos, pois muitos tinham ido passar as festas, fora dali, com familiares ou não... Qualquer dia volto -ou não, afinal soube que há uma ameaça de desocupação pra segunda quinzena de janeiro-)

Enquanto íamos conversando, fomos descendo pelos andares e conhecendo o local...

Passávamos por um andar...


Por outro...


Muitas portas fechadas (pelas razões que já expliquei...)

Ops!!!



Owwwnnn!!


Descemos, descemos e chegamos no andar da biblioteca...

Conheci o bibliotecário (lembrei da série nova "The Librarians"), trocamos uma ideia, ele permitiu as fotos aí ficamos conversando enquanto eu fazia algumas imagens...


 Ele achou que me conhecia...



Ele tb não me era estranho...




Continuei conhecendo o andar (bem legal, diga-se e repleto de informação visual...)






Aí ele disse que precisava descer, dissemos (eu e o síndico) que também estávamos descendo e lá fomos nós... Na saída reparei que não era pra entrar lá de onde estava saindo, mas... bom... heheheh


Fomos descendo...

 Conversando...


Fui fazendo imagens...


Até que ele parou no andar de convivência (onde ainda deviam estar aqueles primeiros que apareceram na janela) e enquanto ia em direção à porta de entrada, foi me avisando que o povo lá talvez não curtisse fotos... Eu, que não pretendia interagir e estava curtindo mais rodar pelos andares, avisei que não ia entrar, nos despedimos e continuei com o Síndico, andares abaixo...



Descemos...



Chegamos no andar dedicado a apresentações e teatro...



 Rodei bem o andar...


Mais conversa e imagens...


E continuamos a descer...



Interessante como, conforme se ia descendo, mais e mais se ia encontrando com estilos e pensamentos tão distintos e interessantes...





 Também eram encontradas muitas portas (e andares inteiros) trancados... Pena...


 Curti o efeito que a volta da porta gerou na foto sem flash...


 E dá-lhe imagens e estilos densos...


E portas fechadas/trancadas...

Está, abaixo, tinha um buraco por onde se podia (muito provavelmente, de forma proposital) ver dentro...


 Mas não era necessário olhar pelos "buracos das fechaduras", bastava andar e observar para se encontrar muita informação...


Com cores vivas...



Em P&B...



 Mais textos...


E muitas imagens estranhamente interessantes...







 Aí chegamos em um andar onde, eu não entendi se, havia sido ocupado por um coletivo feminista no passado ou se elas ainda ocupavam lá, embora não estivessem no squatter hoje...






De lá, descemos mais e...


Chegamos no térreo... Quando achei que tinha acabado, soube que tinha o sub solo (vulgo: Salão de Festas)


Logicamente desci pra conhecer...



 E (repetindo) logicamente achei muita informação interessante...

 informação densa...

Tensa...



 Festiva...


Religiosa


 E... Enfim... Muita informação...



Findo o passeio...

Conversei um pouco mais com o meu guia/síndico, soube que eles estão "re-revitalizando" a ocupação e que dentre outras coisas mais básicas, eles precisam de um refrigerador para poder gelar bebidas nas festas futuras que pretendem voltar a dar na ocupação...

Aí me despedi e saí daquele ambiente estranhamente lúdico e curioso...


Não resisti, dei umas últimas olhadas (assim pensava...)




Vi que horas eram...



Olhei mais... Já começando a digerir tanta informação...


 Reparei que também estava sendo observado...




Dei tchau




E quando os últimos se recolheram...


Fiz o mesmo se segui o caminho da roça...


No caminho, de volta ao terminal, digerindo aquele ambiente, aquela situação, tentando concluir algo, reparo na bandeira abaixo...


 Vejo que ela está "em farrapos"


 E isto (está imagem) acaba ajudando, muito, na minha digestão e nas minhas conclusões...


Bom, sim, existem pessoas na ocupação, só não as fotografei (nem pedi isto) por razões de respeito às suas individualidades...

Até uma próxima, não sei onde ou quando, mas... Até... 





Share on Google Plus

About Um Mero Espectador

0 comentários:

Postar um comentário