[RELATO] 19ª Parada LGBT de São Paulo

Texto e imagens: Walmor Carvalho


E Domingo foi dia da Parada LGBT de São Paulo. E reparem que o nome é Parada LGBT e não "Parada Gay" como nossos coleguinhas de mídia têm colocado, por preguiça ou desonestidade.

Mas porque a ressalva no nome?

Porque a Parada está cada vez menos "Gay" e cada vez mais "LGBT", com o clima de festa "gay" cedendo cada vez mais espaço para a militância LGBT como um todo. E isso não é, de forma alguma, algo ruim.


O tema deste ano foi "Eu Nasci assim. Eu Cresci assim. Vou ser Sempre assim. Respeitem-me!", e cobrou acima de tudo o respeito, o fim da violência e a inclusão à população transexual.


Logo na coletiva de imprensa que precede a Parada, a organização cobrou o Prefeito Fernando Haddad sobre políticas de inclusão e o Governador Geraldo Alckmin sobre mais celeridade nas investigações sobre o caso de Verônica Bolina, desfigurada após ser presa pela Polícia Civil em Abril.



Na rua, o que se viu nos trios elétricos foi que a Parada, a cada ano que passa, está assumindo um caráter cada vez mais militante e político, em oposição à imagem institucionalizada de um evento puramente festivo. Foram cartazes, intervenções e pronunciamentos que atacaram principalmente a violência física, a intolerância religiosa e o retrocesso nas políticas públicas.



 Mas, apesar de tudo, a Parada LGBT ainda tem muito de "Gay" e o evento ainda é uma festa. A música, como sempre, foi ótima e o ambiente foi, em larga medida, saudável. No quesito atrações, Wanessa Camargo e o elenco da série, "Orange is the New Black", foram os principais destaques. Adolescentes e até algumas crianças foram vistas aqui e ali, posando para fotos.


Como nem tudo nessa vida é perfeito, infelizmente, o evento como um todo vem perdendo tamanho. Ano passado já tinha dado esta impressão, apesar do show de encerramento ter atraído um milhão de pessoas fácil, mas este ano a diminuição foi perceptível a olhos vistos.

A parada começou a caminhar horas antes do visto em outros anos, e apesar dos tapumes das obras da ciclofaixa na Paulista dificultarem uma estimativa, na Consolação eram visíveis buracos entre os trios elétricos. Também caiu como uma bomba a redução nos investimentos da Prefeitura destinados ao evento. Além de triste, é preocupante pra caramba pela importância da Parada para o Turismo da cidade e, acima de tudo, para a luta LGBT.


Porém, para a questão financeira há ainda uma luz no fim do túnel: Patrocínio privado. Tanto neste ano como no anterior, a Netflix entrou com uma boa grana (e inclusive trios elétricos) no evento, e a organização está correndo cada vez mais atrás deste filão.

Já sobre a mobilização, espero de coração que as próximas paradas voltem a ser atrativas para a população LGBT e para o grande público em geral. Eventos como este são mais do que dias de festa, são eventos importantíssimos de luta e pressão política. E a crescente veia ativista da Parada não pode se perder assim, não no momento que atravessamos.


Bom, por esse ano ficamos por aqui.

Forte abraço!
Share on Google Plus

About Walmor Carvalho

0 comentários:

Postar um comentário