[RELATO] 25 anos do ECA (também conhecido como "3º Ato contra a Redução")

Texto e Imagens: Ribas Machado
Imagens: Cristiano Assis



Bom, já de cara, quero contar pra vocês que me esta sendo muito complicado relatar o ato de ONTEM (caixa alta pra marcar bem o fato de que desde ontem estou tentando descobrir o que e como escrever), principal e justamente por não ter sido UM único ato/manifestação/caminhada/ação/evento/ação direta mas, sim, um pouco de tudo isto, muitas vezes sendo apresentado de forma amalgamada, outras vezes sendo bem dividido e outras, ainda, ficando pulverizado... As sensações, elogios e críticas também de misturam e se diferenciam quase que na mesma proporção...

A imagem abaixo, de um dos momentos de ontem (num exercício clássico de "pareidolia") ilustra bem "a entidade estranha" que baixou por aqui...


Isso tudo me fez apagar e reescrever o texto várias vezes até que (acho que) encontrei uma forma para relatar pra vocês (da nossa forma literária e libertária de sempre), qual seja, dividindo tudo em CINCO PARTES!

Ah! Antes de prosseguir, vale registrar que estou me referindo ao...


Registro feito, vale avisar também que este post será bem extenso e, portanto, pesado (aconselho a visualização através de um "PC") dá pra ver pelo celular (testei...) mas...


Borandar?

Legal...

Fase 01

Esta fase engloba o momento da concentração no Vale do Anhangabaú, a caminhada até a Praça da Sé e a permanência na Praça, durou da 13h00 até por volta das 17h00 e foi um dos momentos mais batutas do dia. Tudo correu bem e a presença das crianças tornou tudo que aconteceu bastante mágico e lúdico...

Aqui, por mais que alguns brasileiros só quisessem continuar sonhando...






A interação crianças x adultos se mostrou muito forte e capaz de fazer o sonho de uns e a lembrança de outros poder começar a gerar algo batuta...





Tão batuta que, penso, nem cabe muito texto, preparem-se para uma série de imagens captadas pelo Assis (voltarei em alguns momentos específicos e na fase 02).












 












Além de brincar, se divertir, interagir e principalmente, viver uma liberdade batuta (ainda) existente, as crianças e os que já estavam presente nesta fase, aproveitaram para preparar/esticar faixas e cartazes (que seriam usados nas próximas fases...). 








 






Se a PM estava presente...?

Bom, ela estava por perto...



Mas totalmente sem ter o que fazer, dada a grande e correta organização da "Frente Estadual (e Nacional) Contra a Redução da Idade Penal - SP"



 Neste clima de organização e tranquilidade, o tempo foi passando e chegamos na...


Fase 02

Nesta fase, embora com  a maioria das crianças já tendo ido embora e "sido trocadas" pelos movimentos sociais, coletivos, partidos e sindicatos, ainda se notava/sentia o total controle e organização da "Frente Estadual (e Nacional) Contra a Redução da Idade Penal - SP", o que fez com que o clima bacana e acolhedor (de todas/todos) continuasse...
















 
















Aqui (já 17h00 passadas) tivemos muitas apresentações com recados/mensagens interessantes, muitas falas (mais, ou menos) institucionalizadas, muitos momentos e conversas bacanas ... (Também não tenho muito a dizer aqui neste trecho, até por acreditar que as imagens e vídeos abaixo, já dão bem o recado...) 









 






 



 
Nesta fase, tive a oportunidade e alegria de trocar algumas ideias e fazer algumas exclusivas com parte do povo da  "Frente Estadual (e Nacional) Contra a Redução da Idade Penal - SP":




E com as guerreiras do "Festival 15 contra 16"...


Bem bacana né? 

Nós gostamos muito!

Mas a fase 02 também acabou (na minha opinião o ato/evento também -acabou-)


E aí veio a...


Fase 03

Aqui tudo começou a mudar de figura...

Vocês devem ter ouvido (na fala do Carlos Alberto) que (embora não constasse da programação oficial do evento), foi resolvido que da Sé todos sairiam em caminhada pra Avenida Paulista, com o objetivo de encontrar e incomodar o Eduardo Cunha que ESTARIA por lá... Esta era a ideia primeira, mas conforme a fase 02 foi passando, ouvi de várias pessoas que o local da Paulista onde o Eduardo Cunha estaria não era certo/conhecido, alias nem se ele estaria (em algum lugar) na Paulista, era confirmado por mais ninguém, porém, esta fase (EXTRA Ato, frise-se) não foi abortada...

E, por não ter sido abortada, todos começaram a se organizar/posicionar para que ela pudesse iniciar...




 Todos se posicionando...



Até que o carrinho de som (mesmo do 2º ato contra a redução, coberto por nós), surgiu


 E, observados pelos que ainda estavam nos escritórios do Centro de Sampa


A caminhada começou...





E avançou com cantos, palavras de ordem e pronunciamentos (facilitados pelo carrinho branco)









Tudo foi caminhando de forma tranquila e sem incidentes. Até que consegui achar um local elevado de onde pude fazer (por volta das 19h16) a nossa clássica tomada da passagem completa do ato...







Não fui o único a achar este posto de observação...


 Também não era o único observando...


Mas enfim...

A caminhada continuava caminhando, sem grandes destaques, tirando a passagem (que, aposto, muita pouca gente ali presente sabia/conhecia) pela ocupação cultural OUVIDOR 43, ocupação, esta, que me deixou feliz em constatar que ainda existe (em breve pretendo voltar por lá para ver a quantas anda)... 


 E, já na Brigadeiro Luis Antonio, outro momento de destaque, ocorreu quando faixas e bandeirões inéditos e(o) que já vinham caminhando conosco...


Foram esticados em um viaduto...



E, uma delas (que continha uma frase ligeiramente modificada, mas bastante conhecida) de um certo coletivo batuta (que quem acompanha a rua e o MLI vai reconhecer com facilidade) serviu de base/material para uma ação direta (iniciada pelo grupo em questão e continuada por muitos mascarados) que não foi totalmente um sucesso, mas serviu para quebrar o marasmo e o cansaço dessa caminhada chatinha e sem muito propósito...











 Obs: To pra ver tecido tão chatinho pra queimar viu...
Ação direta concluída (até onde deu... Detalhe que os poucos PMs não interferiram...), e a caminhada continuou caminhando...

Como o tédio voltou, aproveitamos pra captar um pouco da região...





E assim foi...



Até que, por volta das 20h35, o "passeio" chegou na Avenida Paulista


Virou a esquerda (não entendi o pq dessa escolha) e, mesmo com ninguém (com quem consegui falar) sabendo o pq da escolha (uns achavam que iam caminhar e voltar pela outra pista até o MASP, outros achavam que tinham virado errado, e outros tantos não tinham a mínima ideia de para onde a massa iria) caminhou um tanto, até que parou e, para nossa surpresa (eu, Assis e MUITOS outros/outras coleguinhas estávamos mais a frente, nessa hora, sentados esperando o ato voltar a andar), começou, por volta das 20h40 um JOGRAL...


Que precisou ser repetido, quando então se transformou em um minuto de silêncio...


Tudo podia ter acabado aqui...


Foi um momento bem batuta (até pq eu já estava bem cansado pelo passeio, meio sem sentido, e valeu sentar um pouco...)


Mas o MINUTO passou...

Relógio marcando 20h45, moçada se levantando e se arrumando pra continuar a andar (sei lá pra onde)


E, então...


Fase 04

SOM DE EXPLOSÃO...

Moçada que estava se reunindo, (a maioria) entra em desespero (em uma cena tragicômica) solta as faixas e corre, sem saber pra onde ou pq...

Seguimos, eu Assis e outros, em direção ao som da primeira explosão, e na contra mão da massa que vinha em nossa direção desesperada, e fomos presenciando o CAOS instalado...



Essa série acima (que infelizmente não conseguimos filmar) foi bem curiosa e mesmo sem se posicionar a respeito de um julgamento do ato em si, vale registrar que estamos pra ver tamanha frieza como a mostrada pela (aparentemente) guria que a protagonizou... Pois, mesmo durando quase um minuto, ela nem se abalou com o segurança (3x o tamanho dela) que foi chegando e chegando até a porta enquanto ela pichava o muro de vidro (deve ter algum nome técnico pra isso, mas vai "muro de vidro" mesmo...) até concluir a frase...

Mais explosões eram ouvidas, mais gente correndo perdida, o pessoal do carrinho de som, pedindo calma e (re) união...



 Alguns dialogando com a PM...


Até que tudo foi se acalmando...

 

E, após (menos de) 10 minutos de caos e confusão, sem sinal do Choque ou da Tropa do braço, os "poucos" que restaram, por volta das 21h00, chegaram na...


Fase 05


Quando, na frente do Shopping Paulista, enquanto alguns LIMPAVAM A PAULISTA para agradar a PM, outros, reunidos em volta do carrinho de som, ficaram ouvindo (e uma maioria -daquela minoria- aplaudindo) falas e palavras contra o que havia acabado de ocorrer...


Até que a plateia foi diminuindo (mais) e, antes que começassem a tocar o Hino Nacional com farta distribuição de camisetas da CBF e coxinhas, esta fase também acabou... UFA!! Foi por pouco (acho)

E, com ela, este relato...

Bom... Juro pra vocês que eu tinha e ainda tenho muitas observações e criticas destrutivas para tudo que rolou da fase 03 em diante, mas, até por não entender que elas (fases 3,4 e 5) fossem fases do ato que fomos cobrir e, até por respeito às fases 01 e 02, guardarei (acho)  tais comentários pra mim...

Até a próxima!!


Share on Google Plus

About Videoteca do Olhar Imparcial

0 comentários:

Postar um comentário