[RELATO] Grafitaço no viaduto Alcântara

Texto e imagens: Ribas Machado


  • Concluir melhora da experiência no site : CHECK!
  • Concluir período sabático: CHECK!
  • Evento batuta, artístico, cultural e, ao mesmo tempo, de resistência no radar: CHECK!

Então borandá e seguir rumo ao (bairro do) Brás para cobrir o...


Antes de mais nada, vale ecoar um aviso dado na página do evento, por uma das organizadoras:
Judie Juno (29 de julho às 22:34)
Existem VÁRIAS formas de contribuir com o evento do dia 02/08, seguem algumas dicas e Informações pra geral que quiser colar:
>SOBRE AS PAREDES
O espaço de convivência é grande, tem bastante paredes. Mas estamos com bastante confirmados. Então, pedimos que cheguem no início do evento para melhor distribuirmos as paredes, na verdade, esperamos que a dinâmica seja de coletividade e companheirismo entre todos. Existem malocas no entorno do local, e quem quiser mandar uma arte do lado externo, só precisa pedir permissão pros moradores dos barracos, que certamente estarão lá conosco.
> TINTAS, ROLINHOS E PINCEIS
Tudo muito bem vindo pra usarmos dia 02/08!
> ATIVIDADES
Enquanto rola o grafitaço, quem quiser aproveitar a oportunidade e o publico para desenvolver alguma atividade no dia, como propuseram em alguns comentários (malabares, oficina de stencil, maracatu, pintura em crianças, e etc) , optamos em não incluir na programação para que o dia seja orgânico, cada um trazendo aquilo de melhor que tem pra oferecer e interagindo com a galera. Então, sintam-se livres para fazer alguma performance, algum barulho, alguma arte, sem a necessidade de uma programação específica, pedimos apenas que procurem alguma organizadora do evento no dia.
> COZINHA COMUNITÁRIA
Na maloca do Viaduto Alcântara, o povo de rua organizou uma Cozinha Comunitária, onde rola uns rangos coletivos. Quem quiser ajudar na manutenção da dispensa da galera, estará incentivando também a autonomia, horizontalidade e auto gestão do povo de rua; ARROZ, FEIJÃO, CARNES, PANELAS, PRATOS, e etc...tudo bem vindo!
> BAZAR COLETIVO
No espaço de convivência para o povo de rua, deixamos uma arara onde colocamos as doações de roupas e cada um pode escolher o que precisa. Observamos que doações de roupas femininas sempre chegam, mas a maior parte da população de rua é adulta e masculina, e doações para homens adultos sempre falta, e sempre aparece alguém sem algo pra colocar no pé ou agasalho. Então, todas as doações são bem vindas, mas pedidos aos meninos que incentivem sua família, amigos e vizinhos a fazer um "pente fino" no guarda roupa e doar prum irmão da rua.
> BIBLIOTECA
No espaço de convivência, tem oficina de leitura, para alfabetização de jovens, adultos e crianças. Além dos conviventes que gostam de aproveitar o tempo lendo algo. Quem quiser trazer alguma doação de livro, estará ajudando nessa iniciativa.
> FILMES
Nesse espaço de convivência, a galera costuma passar as tardes assistindo filmes, então, quem tiver filmes com temas diversos pra doar, vai ajudar a diversificar as opções da galera.
> JOGOS
Se alguém tiver algum jogo, tipo xadrez ou dominó pra doar, pode trazer que eles curtem muito jogar.Sempre emprestamos algum, mas as vezes algumas peças se perdem e nem sempre temos pra repor.
> FILMAGENS
Mídias parceiras são super bem vindas, tal como fotografias e filmagens (desde que tenha permissão das pessoas que aparecerem nas imagens, antes de QUALQUER divulgação), considerando a realidade do povo de rua, em que algumas pessoas preferem não serem identificadas por questões de privacidade.
Temos certeza que esse dia vai ser lindo!
Até domingo, compas!
- Mas Ribas, se o evento já rolou (a essa hora) pra que repetir todo esse texto!!??

Sim, sim, o evento já rolou (e foi um sucesso como vocês verão abaixo) mas, as pessoas e as necessidades ainda estão lá no local, portanto... Fica a dica para quem quiser um lugar pra fazer doações!
Dica dada, bora pro relato da minha experiência na tarde/noite de hoje...

Desci na estação Brás (do metro) e saí caminhando rumo ao viaduto Alcântara Machado. Andei, andei, andei e cheguei...

Dei uma lida nos avisos e orientações...



 E entrei no espaço de convivência...


Onde dei uma sacada rápida no local...


E já fui achando pessoas conhecidas de outras ações (que cobrimos) do coletivo C.A.T.So (Coletivo Autônomo dos Trabalhadores Sociais).

Nisso já consegui toda uma explicação da história e da situação atual daquela comunidade (dada pelo Paulo Escobar):


Em seguida, ouvi duas (das quatro) organizadoras do evento, que acharam um tempo para gentilmente falar conosco:


História (e problemas) daquela comunidade já conhecidos, evento já comentado, parti para caminhar pelo espaço, como se caminha por um museu, observando as ARTES já finalizadas, as que estavam sendo produzidas, as que ainda estavam no rascunho (papel) e (isso era algo que tornava aquele passeio cultural mais rico e especial) tendo oportunidade de conversar/ouvir as/os artistas/autores daquelas obras, como por exemplo a dupla Laila e Liz que haviam acabado de acabar a delas...



E continuei meu passeio observando as outras Obras de ARTE espalhadas pelo espaço de convivência...




Pra todo lugar que onde se olhava era possível trombar com algo batuta...










 E muitas mensagens interessantes...

 


 



E quando eu falo em TODO LUGAR, é todo lugar mesmo, chão, pilares, paredes, teto...



 
 


E, enquanto eu passeava e me maravilhava, também ia conversando...

Conversa vai, conversa vem, soube que mais cedo (eu cheguei por volta das 15h00, mas o evento já estava rolando desde de 9h00 -embora o horário inicial tenha sido mudado pras 11h00-) uma moçada havia sido reprimida pela PM ao levar sua arte pra fora do espaço de convivência, mais especificamente para os muros/paredes do viaduto. 

Fui conferir o que havia sido feito e o que havia ficado inacabado...

Saí e comecei a andar...




Fui andando e vendo tudo que havia sido feito (antes da PM)






 O que tinha sido escrito para a repressão...


E o que tinha sido interrompido pela repressão...


Avancei até a ...


Onde fiz mais imagens...



E comecei a voltar...





 

Antes de entrar no espaço de convivência novamente, passei por ele e fui olhar outras artes feitas mais cedo, em outros "espaços da comunidade"









Já de volta ao espaço de convivência...



Muitos artistas ainda trabalhando em suas obras...


 

 Enquanto outros, que haviam feito uma pausa, vieram dar uma palavra...



 E uma aula pra mim (e pra vocês)


Voltando a criar em seguida...







Nisso, aproveitei para captar imagens da parede externa (da área interna do gradil)



 



E continuei por lá conversando e acompanhando a construção de várias artes que iam surgindo, iam sendo construídas aos poucos...

Primeiro no papel...


Depois iam ganhando forma (as vezes até diferente da ideia original, o que tornava o processo de criação mais batuta ainda!!)



  






E quando parecia que já tinha acontecido tudo, mais de 19h00 no relógio, chegava mais gente que já achava/recebia um espaço e começava a criar...



Fazendo gentis pausas pra falar conosco...



Tudo foi caminhando neste ritmo mágico imposto pelas 4 organizadoras...

E fui acompanhando tudo até que, no fim, quando parecia que não iria chegar mias ninguém (até pq já faltava uma hora pro final oficial do evento), comecei a me organizar pra tomar o caminho de volta...


Emocionado, maravilhado, renovado e com a certeza de que a...


Saí pra rua, dei uma última (hoje) olhada para o espaço de convivência...


E segui pro metro...


De alma lavada, contente e maior, culturalmente falando...

Até a próxima!!!



Share on Google Plus

About Videoteca do Olhar Imparcial

0 comentários:

Postar um comentário