[RELATO] Skate Livre na Praça Roosevelt


Texto e Imagens: Walmor Carvalho



Com 2013, São Paulo trouxe à tona diversos debates e focos de disputa sobre o direito ao espaço público: O Parque Augusta, Minhocão, Parque dos Búfalos, a Praça Led em Osasco... Mas nenhuma dessas tretas é tão antiga e recorrente quanto a da Praça Roosevelt, no Centro.

Concebida como um conceito inédito de estrutura de concreto em meados dos anos 60, a Praça foi considerada uma aberração e largada à própria sorte por décadas. A partir dos anos 80, o local se tornou ponto de referência entre os praticantes de skate da cidade, que por sua vez se viam às turras com as patrulhas policiais. E, mesmo após 30 anos e uma revitalização da praça, skatistas são alvo de duros enquadros e agressões por parte da polícia.

O que nos traz, finalmente, à noite de 24 de Julho.

De acordo com alguns frequentadores, vigorava uma ordem informal de que estava proibida a prática de skate na parte superior da praça e, com isso, dois PM encontraram motivo para "enquadrar" um skatista no local. Com o mesmo foi encontrado um cigarro de maconha, o que acabou sendo um pretexto para uma ação mais repressiva dos policiais. O resto, como dizem, é história: Amigos do skatista e transeuntes começaram a se aglomerar em volta do ocorrido, os policiais rapidamente perderam a mão da situação e chamaram reforço, que culminou em gás de pimenta, agressões e ameaças contra aqueles que filmaram tudo. A situação toda foi gravada em video:


Diante de mais um capitulo na repressão da PM e na briga pelo direito à praça, uma galera organizou o ato:






O ato foi marcado para esta sexta, no Vão do MASP, e infelizmente agregou poucos skatistas de fato.


Foram cerca de 30 manifestantes dentre punks, RASHs e figuras conhecidas da luta antifascista na cidade.


 Pouco antes  da saída do ato, ás 19h, policiais começaram a rondar o vão livre atrás de "responsáveis" pelo ato, e ali ficaram.


Quando o ato tomou a Paulista...


Um cordão de policiais em coletes amarelos e capacetes brancos praticamente brotou do chão e encurralou os manifestantes na faixa de ônibus da Paulista.






E logo eles foram acompanhados dos "Robocops" da Tropa do Braço.



Vários, porém, fizeram bom uso dos skates e ficaram indo e vindo à frente do ato, por fora do verdadeiro "caldeirão" montado pelos policiais.




Os manifestantes bem que tentaram furar o bloqueio fazendo uma virada abrupta na Rua Augusta, mas logo foram cercados novamente pela centena de policiais que conduziram o ato até a Praça Roosevelt.



Só restaram as velhas palavras de ordem contra a polícia, recauchutadas apressadamente para englobar o skate.


No local, os participantes se reuniram em frente ao escadão nos fundos da praça, onde juntaram seus skates no chão e fizeram um jogral para a "Dona Marta", membro da Associação de Moradores da praça que se coloca veementemente contra o uso cultural/boêmio do espaço.



Logo abaixo, a tropa de choque acompanhou impassível até a ordem de retirada, que foi feita sob vaias dos presentes.



Fim de ato.

Abraços e até a próxima!
Share on Google Plus

About Walmor Carvalho

0 comentários:

Postar um comentário