The Green Inferno 2015 (Canibais)

Coluna: Machadadas
Autor: Ribas Machado



Filme que conta a historia de mocinhos e mocinhas fofas e rosadas, norte americanas, vindo ajudar o povo sub nutrido sul americano a parar de devastar suas matas e, por tabela, encontra índios canibais malvadões pelo caminho... Hmmm! 



Olhando assim, chega a parecer um repeteco da fórmula clássica e medíocre (Turistas seria "O" grande exemplo) e uma imitação barata de filmes no estilo das (também) clássicas obras de Ruggero Deodato, mas...


Vocês se lembram daquele viral de 2012 (considerado o viral mais rápido da história), "Kony 2012", produzido pela Ong Invisible Children, que tinha como principal objetivo (declarado) revelar ao mundo as atrocidades cometidas por Joseph Kony, líder do grupo guerrilheiro/religioso de Uganda (Exército de Resistência do Senhor, ou LRA) acusado de aliciamento, assassinato, estupro e mutilação de mais de 30 mil crianças nos últimos 20 anos? Lembram do rolo que deu (muitas críticas e descobertas de outras POSSÍVEIS razões não tão humanitárias tais como angariar doações, levar os EUA à guerra, vaidade, autopromoção pura e simples...)?

Pois é, esta foi a verdadeira inspiração (este caso e seus desmembramentos) para Eli Roth criar, com a trama de "Green Inferno", uma crítica ao slacktivism (ativismo preguiçoso ou, pra nós, ativismo de sofá) e, em função disto, fui assistir e cá está uma matéria a respeito...

Estão comigo?

Borandar então!





Resumo (oficial)
Um grupo de universitários, ativistas, viaja para a Amazônia (Peruana) para salvar a floresta tropical e logo descobrem que não estão sozinhos, e que nenhuma boa ação fica impune.


Curiosidades
  • Os posters no quarto de Justine são de "Eu, Christiane F., 13 Anos, Drogada e Prostituída" de 1981 (preciso rever este filme) e "Betty Blue" de 1986;
  • Não parem de assistir o filme quando ele acabar, pois os créditos finais são interrompidos após cerca de 20 segundos para uma cena de Lucille (a irmã de Alejandro) chamando Justine e dizendo-lhe que...

  • Por falar em cenas finais, bom, assistam tudo pois o filme "não acaba no fim..." ;
  • Eu realmente gosto de ver os créditos finais e nos deste filme, pudemos ver uma menção/homenagem aos habitantes locais, que diz: "Feito com a participação generosa do povo de Callanayacu Peru. Obrigado por nos acolher em sua bela aldeia. Estamos ansiosos para jantar com você novamente em breve";

  • Vemos (nos créditos) também uma menção/homenagem à Rugero Deodato e a Brad Pit;
  • Descobrimos, nos créditos, (e vocês já devem ter visto no print acima) os twitters de boa parte do elenco (já escrevi para alguns...);
  • E, podemos ver , nos créditos, uma homenagem ao gênero de filmes de terror voltados ao canibalismo...


Impressões

Já de cara devo dizer que o filme não é uma maravilha, não mexeu comigo como o primeiro "Albergue", mas foi uma surpresa interessante, seja pelo fato de eu estar com expectativas muito baixas, seja pela pesquisa pós filme que me fez descobrir as razões reais para a criação do filme.

E, justamente com este conhecimento, passei a entender melhor e até gostar deste filme que, usando de estereótipos clássicos do ativismo (como o/a líder mais preocupado em aparecer e ser reconhecido como "O/A" cara/mina, mais preocupado com uma agenda paralela, mais pessoal e paralela ou bem distante da causa original; a homossexual ativista veterana que esta mais preocupada em catar todas as novinhas idealistas e curiosas -da mesma forma que o hétero, macho alfa, que aceita ficar abaixo do líder, pra, também, se dar bem com a mulherada "que sobrar"-, os/as integrantes sérios, idealistas e puros -que, geralmente, são os que se ferram, são usados, vão presos, apanham, são processados e, no filme, morrem- e os/as integrantes que estão na causa pela diversão, pelo status, pela aceitação e outras razões que não a original) e de situações fechadas em microcosmos (sem precisar de um orçamento de blockbuster), consegue, do seu jeito/estilo (sangue e mortes visualmente histéricas) fazer sua crítica social e acordar a plateia.

Outra coisa que gostei foi descobrir que não era uma refilmagem dos clássicos, não era uma releitura, mas o tema "Canibais" (que o Eli Roth, assumidamente, tanto gosta) só foi usado como homenagem ao gênero, e pano de fundo para a crítica...

Lógico que tem cenas sofríveis e desnecessárias (o que foi o líder relaxando na cela?!?), lógico que não é um filme que vou lembrar daqui umas semanas, mas é bom, bem feito, tem começo, meio e fim, tem uma pequena e básica montanha russa de emoções e tem as situações de tensão (e suas soluções) bem montadinhas e bem aceitáveis.

Com relação à crítica em si, talvez não seja todo mundo que vá entender, gostar, sacar, se sensibilizar e, não, eu não sou um gênio super sensível e com preparo intelectual acima da média mas... Por estar há anos convivendo (também) com este problema/questão do "ativismo de sofá", por já ter acompanhado (inclusive profissionalmente aqui pro O.I.) vários grupos, pessoas, situações e ideologias, acabei conseguindo (sem tentar) me achar, me ver e ver muita gente nos personagens CARICATURAIS e nas questões tocadas no filme.

Por fim, aconselho que conheçam o filme e deem uma googlada para (que não conhece ou esqueceu) saber mais sobre o Kony 2012 e todas polêmicas que vieram após sua veiculação...

O que mais, o que mais?

Ah sim! Visitem o twitter oficial, tem tweets batutas...



Ficha técnica 
  • Direção: Eli Roth
  • Roteiro: Eli Roth e Guillermo Amoedo
  • Lançamento: Embora tenha sido apresentado para o mundo, no Canadá em 08 de Setembro de 2013     (Toronto International Film Festival), em 2014 a distribuidora do filme vazou (pois é, deixou eles na mão), problema este que só foi "solucionado" em setembro de 2015 (por isso que o filme é considerado de 2015 ou até 2016 -ano do lançamento do DVD);
  • Musica: Manuel Riveiro 
  • Site oficial (em japonês, não me perguntem pq): http://green-inferno.jp/
  • Facebook oficial: https://www.facebook.com/TheGreenInferno#
  • Twitter oficial: https://twitter.com/TheGreenInferno
  • Tumblr oficial: http://greeninfernomovie.tumblr.com/
  • Paises: EUA, Chile Canadá 
  • Locações: Tarapoto/Peru, Santiago/Chile, Nova York/EUA
  • Duração: 100 min 
  • Elenco: (Vamos aproveitar os créditos finais novamente?)



Até a próxima!
Share on Google Plus

About Videoteca do Olhar Imparcial

0 comentários:

Postar um comentário