3ª PARTE da cobertura da Campus Party 2017 (#CPBR10) -DESTAQUES-

Texto e Imagens: Ribas Machado

(FOTO: Diogo Brasil)

Obs: Antes de mais nada, até para manter a verdade que sempre buscamos por aqui, vale informar que estou escrevendo no domingo dia 05.


Bom, como eu já deixei bem claro, desde antes da #CPBR10 começar, o maior destaque positivo vai para a Assessoria de Imprensa, tudo bem que o WIFI próprio e os docinhos e salgados da sala de imprensa da BGS foram batutas mas, enquanto material humano e profissionalismo, os coleguinhas da #CPBR10 estão anos luz de distância e to pra ver (e espero que isto se torne um costume no FUTURO) tratamento mais humilde e, ao mesmo tempo, profissional melhor do que o para nós ofertado por esta patota...


Dito/repetido isto (mais uma vez), passemos aos demais destaques e...
  • Só para já exorcizar o que teve de não batuta, vale citar um destaque negativo para a ENGENHARIA montada para os transportes gratuitos leva e traz. Tá tá tá só deste serviço existir já bastaria para ser um destaque positivo, porém como tudo tem um lado bom e um lado ruim, o fato desta existência acaba fazendo com que ela carregue certa responsabilidade na qualidade do serviço e, por mais que fossem ônibus (dois) e van (uma) novos e limpinhos, tenho que registrar que as mudanças de lugar, a pontualidade no horário de encerramento -o que deixava MUITA gente na mão, na saída. Momento mais importante e sensível para se ter este tipo de apoio-, falta de staffs na estação orientando/sinalizando, a (muitas vezes) chegada/saída de carros ao mesmo tempo, as paradas desnecessárias principalmente da Van (que embora fosse para pessoas especiais, podia muito bem ter se mexido e ajudado a carregar as pessoas que ficavam plantadas -muitas vezes na chuva- esperando... - Ah! Mas Ribas, e se chegasse alguém especial??? Bom, ir e voltar demorava menos de 10 minutos, já existem rádios comunicadores há algumas décadas, não precisa falar mais nada não é...);
  • Para fechar esta negatividade, vale citar os já clássicos (nestes grandes eventos) preços abusivos da alimentação interna (teve inclusive local que alterou os preço do dia 30 para o dia 31 -sim, os campuseiros já estavam no espaço do evento um dia antes-) que, só não mereceu maior destaque/crítica pq teve uma concorrência batuta com os entregadores de pizza que faziam a festa da "Campus B";

Feito o registro da parte negativa e, meio que (quase), ignorando a sala VIP onde "famosos quem?" (a maioria da mesma agência) ficavam, junto com poucos famosos de verdade e conteúdo (pois a maioria destes últimos ficavam andando pelo evento sem nenhuma blindagem, conversando e interagindo com todo mundo) comendo lanches servidos por uma lanchonete que patrocinava este setor e fazendo pose de celebridade sob os olhares dos meros mortais... Ribas!! Todo evento tem esse setor, pro povo descansar e não ser assediado pelos seus fãs que os sustentam (tsc tsc)!! Sim, sim eu sei!! Eu mesmo já estive convidado em vários (e vcs acompanharam por aqui ou no meu dia a dia! Não estou criticando algo até certo ponto necessário), o que me incomodou de verdade é que este espaço específico era dividido do resto do evento por uma longa parede de vidro, transparente, o que tornava esta separação, de uma mediocridade arrogante SEM IGUAL!! E transformava um local normalmente usado para descanso e paz, em um aquário para expor o ego e a falta de segurança, e base sólida do crescimento, de muitos que lá ficavam comendo, fingindo não olhar para quem passava fora...


Vamos falar do que mais interessa e interessou!!

Ou seja, vamos citar/falar dos destaques positivos da #CPBR10

Confesso que, ao contrário dos destaques negativos (poucos e bem específicos) foi muito difícil separar os destaques positivos, pois toda a #CPBR10 (e suas palestras, staffs, pessoas, workshops, atividades...), merece tal destaque, e isto é um fato inegável (por mais que eu tenha ouvido de ALGUNS/ALGUMAS campuseiros antigos que tal ou qual edição tivesse sido melhor -o que convenhamos, é muito relativo pois envolve o lado emocional da pessoa e como ela viveu esta ou aquela edição-) mas, tirando o lado campuseiro (que terá uma matéria especial própria -a próxima-) os destaques comerciais positivos (na nossa opinião -óbvio!!-) foram:

  • O Espaço TNT LAB



Estande localizado na Área Open, de acesso livre/gratuito (o que já era um super diferencial democrático) onde, por todo o tempo do evento foram trazidas personalidades, palestras, papos, ações, intervenções com uma pegada urbana, político/social, bastante arrojada e muitas vezes até um pouco provocativa aos outros espaços mainstream existentes na campus, o que, de certa forma (ou de forma inteira) completava de maneira bem batuta o intuito ativista e anarquista pouco pasteurizado da #CPBR10!


  • A Rádio Geek




Estande localizado na área paga (mas com um braço na área Open, me refiro à "Sala de Escape" que estava em parceria com a rádio) que trazia hora no formato de rádio, hora no formato palco, muitas entrevistas, shows, debates, ações e promoções (inclusive no pós evento, no horário da Campus B). O grande destaque deste espaço (além da qualidade dos convidados) estava na tranquilidade livre da interação, não vi seguranças ou pessoas com cara de malvado/fome cercando/blindando os convidados, muito pelo contrário qualquer campuseiro (estávamos na área paga, então não cabe aqui dizer "qualquer pessoa") podia chegar e conversar livremente com qualquer um ali, sem frescura ou muita onda/regra. Alias, neste ponto é curioso registrar que por mais de uma vez eu presenciei "Celebridades" blindadas em outros locais/estandes, chegarem na rádio e se transformarem em pessoas comuns (que são, diga-se) e isto é muito batuta!


  • A Empresa 3D Factory



Sim, sim, sim não podia/pode praticar comercio dentro da #CPBR10 (tirando os locais de alimentação com seus preços abusivos) mas, era comum ver campuseiros expondo seus trabalhos e propagandeando suas habilidades... Isto faz parte da Campus e é totalmente saudável afinal ela TAMBÉM é uma feira de negócios. E, agora que já dei um destaque da área open, e outro da área paga, vale dizer que dentre os vários campuseiros que lá estavam (também) com este intuito, vale destacar a moçada da empresa 3D Factory, uma empresa que basicamente mexe com impressão em 3D... - Mas Ribas!! Você parou no tempo?? O que mais tem atualmente é empresa que faz isso!! Sim, sim, eu sei! Inclusive já falei de algumas concorrentes aqui, em outras coberturas, mas dei/dou este destaque pq pela primeira vez eu vi peças coloridas que nada devem a action figures tradicionais (me apaixonei pelo Bad Robot hehehehe), fiquei realmente impressionado com a exposição de produtos deles. Sim, na própria #CPBR10 tinham várias outras mesas com impressoras 3d, algumas até com peças enormes e bem complexas mas... MONOCROMÁTICAS... Já, aqui, até existiam peças monocromáticas, só que estas só lá estavam para que o público pudesse ver a diferença e, com isto, pudesse comprovar o que realmente se pode fazer quando se sabe usar estas impressoras... Parabéns para o trio!!


Por fim, fim!! 

Até pq, como já disse acima, praticamente toda a #CPBR10 merece destaque positivo, então, só para não repetir o que já foi/será noticiado por vários outros coleguinhas e o que acabava sendo o básico esperado no evento, ficam aqui um destaque "B" da área open, um da área paga e um das empresas campuseiras...

Até a próxima (que será um especial mostrando os campuseiros)

Estão comigo?

Então borandar!!!





Share on Google Plus

About Videoteca do Olhar Imparcial

0 comentários:

Postar um comentário