25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo

Texto e imagens: Ribas Machado



É...
Pois é...

Já dizia um sábio de plantão:

"Sem expectativas, sem decepções"

Não tiro a razão do plantonista, alias, o ensinamento acima está certíssimo, mas...

Fica muito difícil não criar expectativas na espera por algo que só acontece uma vez a cada dois anos...

Mais difícil ainda quando você (no caso eu) adorou a edição anterior (LINK aqui) e guarda tantas lembranças supimpas!!

Por estas e outras, eu até poderia achar que esta edição, dados os descontos necessários gerados pelo excesso de expectativa, está batuta...

Poder eu até poderia, confesso que até tentei...

Mas não consigo!!

Sério...

Se eu fosse resumir esta edição seria a edição do...

Tire uma foto em algum painel e compre tudo por "10 real"!

Tá tá tá!! Era uma sábado, estava lotado... OK!!

Mas, realmente, era uma sábado, estava lotado e, some-se a isto, o fato de estar muito mal diagramado o ambiente (aposto e ganho que qualquer pessoa -menos perdida e atrapalhada do que eu- se perderia e -ou- ficaria andando em círculos pelo espaço), não ter grandes atrações (e as poucas presentes, eram repetidas da edição passada e estavam super blindadas)...



(Sim, as fotos são de um painel com o Maurício de Souza e o Ziraldo)

(Continuando...)

Somem também a ausência de editoras batutas, e a presença maciça de (muitos) espaços enormes com venda de "estoque encalhado" por "10 real" ou "a partir de 5 real"...

Impressionante como esta 25ª Bienal internac... bla bla bla mais parecia a... 25 de março dos livros encalhados!

Muita decepção e vergonha alheia!!!

Principalmente pq é um evento pago...

Se fosse entrada franca, até seria menos incomodo QUASE QUE a grande maioria dos estandes (no sábado dia 04) só oferecerem como "atração" você poder comprar livros (tsc tsc)...

Mas vc pagar para "ter a chance" de tirar fotos com cenários de evento otaku médio e (ou) poder comprar livros (em uma bienal do livro), bom...

Mas...

Se me perguntassem, eu diria...



E por mais que o evento estivesse uma porcaria bem montada (definitivamente não deve ter saído barato toda a estrutura), lhes confesso que valeu a pena conhecer o estande de Sharjah...




Onde gastei bastante tempo e aprendi bastante





Outra situação que me alegrou, foi rever (e ser reconhecido) pelos amigos que fiz na edição passada

 Sheikh Hosni Abdelhamid e Ahmed Kalaf


Da...


Que, nesta edição, estava apresentando para os visitantes, que chegavam no estande



Os seus históricos grandes inventores islâmicos



Era uma exposição bem interessante, acompanhada da tradicional distribuição de farta literatura




 Que, dessa vez, também trazia uma HQ e a obra uma nova geração de autoras...


Não sou muçulmano mas, sem NENHUMA dúvida, as duas situações acima, somadas a um reencontro totalmente inesperado e até meio estranho e surreal com uma querida amiga (que não via há mais de 12 anos -sim, tiramos foto, mas até pela privacidade dela, vou guardar pra mim...-) formaram o top 3 dos melhores momentos (que salvaram) dessa Bienal que...

Não pretendo voltar (nesta edição) e que de tão estranha (tirando o top 3 acima citado) fez com que pela primeira vez (neste evento) eu pensasse em bater meus calcanhares para ver se conseguia voltar pra casa mais rápido...



Até a próxima!!!!

E...


Share on Google Plus

About Canal do Ribas Machado

0 comentários:

Postar um comentário